O PS exortou esta terça-feira o Governo a clarificar o que pretende fazer em 2014, reiterando que o executivo do maioria PSD/CDS-PP está a «esconder propositadamente» os cortes que pretende fazer.

«Este é o momento da clareza, o Governo não pode esconder dos portugueses a um mês das eleições autárquicas aquilo que de facto pretende fazer em 2014», afirmou o secretário nacional do PS, Eurico Brilhante Dias, numa declaração aos jornalistas na sede do partido.

Lembrando que este é o momento mais importante da preparação do orçamento, quando os serviços fecham as suas propostas e se passa à decisão política, Eurico Dias Brilhante considerou que «é neste momento da decisão política que o Governo pode mudar, pode alterar a proposta».

Segundo o membro do Secretariado Nacional socialista, da proposta de orçamento «constam cortes nas pensões da Caixa Geral de Aposentações e cortes nas pensões da Segurança Social assim como também cortes nos salários da função pública» e o Governo está «a esconder de forma deliberada» o que se propõe fazer para 2014.

Por isso, insistiu, é altura do executivo clarificar o que pretende fazer no próximo ano, tal como os socialistas já o fizeram.

«O PS de forma claríssima já disse: parar a austeridade para deixar a economia respirar e termos crescimento económico sustentável e devolver estabilidade nos rendimentos dos portugueses», acrescentou.

Questionado sobre o alargamento do prazo dado pela Direção-Geral de Orçamento para que os serviços entreguem as propostas de orçamento para 2014, dando mais 48 horas aos ministérios para submeterem os documentos, o secretário nacional do PS comentou que «o principal foco de instabilidade política em Portugal é o próprio Governo».

«O Governo mais uma vez precisou de mais tempo para montar as peças daquilo que é a sua própria desorganização interna no momento em que o país atravessa uma crise tão grave», num registo da Lusa.