Carlos Corrêa Gago, que foi ministro dos Negócios Estrangeiros e da Coordenação Económica e do Plano, em governos distintos, no final dos anos 70, faleceu na sexta-feira, aos 81 anos, informou a família.

Nascido em Lisboa a 25 de junho de 1934, Carlos Corrêa Gago licenciou-se em Engenharia de Minas pelo Instituto Superior Técnico, em Lisboa, em 1958, e pós-graduou-se em Administração Industrial na Wollwich Polytechnic da Universidade de Londres, em 1961.

Concluiu ainda o Curso Geral de Economia do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, em 1964, e o curso de avaliação de projetos de investimento do Economic Development Institute (Banco Mundial), em 1967.

Foi administrador da Empresa Pública de Parques Industriais (1973-1976), da Petrosul e da Empresa de Desenvolvimento Mineiro e foi presidente da Petrogal, da Administração-Geral do Porto de Lisboa (1972-1986) e da Somincor (1986 e 1989).

Presidiu igualmente ao Instituto Nacional de Estatística (1992-2001) e ao Centro Europeu das Empresas com Participação Pública e de Interesse Económico Geral (2000-2001).

Tendo integrado o Secretariado Técnico da Presidência do Conselho em 1963, tornou-se diretor-geral em 1970, cargo que manteve até 1974, colaborando ainda com a Direção-Geral da Aeronáutica Civil, organismo de que foi consultor entre 1966 e 1970.

Ministro dos Negócios Estrangeiros do III Governo Constitucional, liderado por Alfredo Nobre da Costa, em 1978, e ministro da Coordenação Económica no V Governo Constitucional, de Maria de Lourdes Pintassilgo (1979-1980), viria a ser deputado à Assembleia da República entre 1985 e 1991, eleito pelo Partido Renovador Democrático (PRD).

Deixa diversos livros publicados na área do planeamento e da gestão, a título individual ou em parceria com outros autores.

De acordo com informação facultada pela família, o funeral de Carlos Jorge Mendes Corrêa Gago realizar-se-á em cerimónia privada.