O Partido Popular Monárquico (PPM) apresentou esta segunda-feira, na representação da Comissão Europeia em Portugal, uma proposta para que todos os Estados-membros se financiem à mesma taxa nos mercados financeiros.

A proposta do PPM, que contou com a colaboração de técnicos independentes do Banco de Portugal e do Tribunal de Contas, foi entregue após a saída da ¿troika¿ e no primeiro dia em que Portugal está com o seu financiamento inteiramente dependente dos mercados.

«Esta é uma proposta que permite aos Estados com taxas de juros mais altas desagravarem-nas, é uma proposta de solidariedade, permitindo que todos os Estados da zona euro se financiem à mesma taxa», disse à agência Lusa o cabeça de lista do PPM às eleições europeias.

Nuno Correia da Silva adiantou que a proposta tem como objetivo permitir que «o euro se cumpra na sua plenitude», sendo «o complemento de justiça» que lhe faltava.

O candidato do PPM às eleições de 25 de maio explicou que o euro possibilita que «todos os Estados se financiem nos mercados à mesma taxa, uma vez que é uma zona única e de uma moeda única», fazendo, por isso, «todo o sentido que as taxas também sejam iguais para todos os Estados dessa zona».

Nesse sentido, o PPM defende que «a Europa emita dívida própria, que se financie e, à mesma taxa, ceda e disponibilize o dinheiro junto de qualquer economia dos Estados, até ao limite de 60 por cento, aquilo que está acordado no pacto de estabilidade e crescimento».