O Presidente da República disse hoje que a situação na Venezuela está a ser acompanhada com «grande preocupação» pelas autoridades portuguesas, fazendo votos para que as condições de segurança sejam estabilizadas.

«É óbvio que as autoridades portuguesas acompanham com grande preocupação o que tem vindo a acontecer na Venezuela, é uma das comunidades mais importantes de Portugal no estrangeiro e em particular na América Latina, depois do Brasil, e vários membros do Governo português têm visitado a Venezuela e estabelecido contactos com membros dessa comunidade», afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas em São Francisco, nos Estados Unidos da América, quando questionado sobre a situação na Venezuela.

O Presidente da República disse ainda esperar que «a situação evolua de forma a estabilizar as condições de segurança», sublinhando que essa é sempre a preocupação de uma comunidade.

As manifestações de protesto que desde 12 de fevereiro se registam diariamente na Venezuela já provocaram 14 mortos e mais de 140 feridos.

Segundo o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, os protestos de opositores ocasionaram ainda a morte de 30 pessoas, por «ataques de coração e de asma», e que não puderam ser atendidas atempadamente devido a bloqueios de estradas.

Um balanço do Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa dá conta de pelo menos 62 jornalistas vítimas de repressão da parte de organismos de segurança do Estado, de civis armados e de manifestantes.

Das mais de 500 pessoas que foram detidas, 45 vão a julgamento, entre elas nove membros dos organismos de segurança do Estado.