O CDS-PP comparou o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, à antiga governante socialista Maria de Lurdes Rodrigues, argumentando que o atual titular da pasta está a fazer mudanças contra os atores educativos. Uma posição assinalada pela deputada centrista Ana Rita Bessa a propósito do parecer do Conselho de Escolas.

"São alterações que não são feitas consensualmente e se há coisa que aprendemos designadamente com governos PS, concretamente com a senhora ministra Maria de Lurdes Rodrigues, é que as mudanças na educação não se fazem contra os atores na educação, mas com os atores da educação. Não prevejo nada de bom para este ano letivo e infelizmente para os próximos."

Ana Rita Bessa falava aos jornalistas no parlamento sobre a posição do Conselho das Escolas, que manifestou esta quinta-feira preocupação com a eliminação dos exames no 1.º e no 2.º Ciclos. O Conselho de Escolas defende que estes exames são complementares às provas de aferição e que devem realizar-se no 6.º ano.

A deputada sublinhou que isto reforça a posição do CDS-PP, que considera que Tiago Brandão Rodrigues "tomou uma decisão errada quer no ‘timing', quer na forma, quer no conteúdo", ao eliminar aquelas provas.

"Mantemos a preocupação com que a educação tem vindo a ser tratada, e consideramos que o senhor ministro que tem dito, e bem, que a escola deve ser uma realidade inclusiva, não se pode esquecer de incluir os diretores, que são quem conduz a sua política educativa no terreno, neste tipo de decisões", afirmou Ana Rita Bessa.