O líder regional do PSD/Madeira anunciou hoje, na festa do Chão da Lagoa, que o Governo da República assumiu os compromissos de retomar a ligação marítima de passageiros, construir um novo hospital e criar um novo regime fiscal.

Nesta que foi a sua primeira participação na maior concentração popular promovida pelo PSD/M, que vai na XXXII edição, na qualidade de presidente da estrutura regional do partido, após ter substituído Alberto João Jardim, Miguel Albuquerque contou com a presença do líder nacional do partido, Pedro Passos Coelho.
 

O governante madeirense realçou que, após a resolução do dossiê do regime do subsídio da mobilidade às viagens aéreas que deverá entrar em vigor em setembro, os dois executivos "estão a ultimar o trabalho e o governo nacional vai abrir até outubro o concurso para estabelecer a ligação do ‘ferry' entre Madeira e Lisboa".


Miguel Albuquerque elogiou a coragem de Pedro Passos Coelho por ter implementado medidas impopulares para ajudar a resolver a situação difícil do país.
 

"Este homem que está aqui pegou em Portugal num estado catastrófico, praticamente falido devido a políticas do governo socialista de má memória e resgatou o país da falência", declarou.


Miguel Albuquerque argumentou que "as pessoas têm de reconhecer quem fez a obra de recuperação do desastre socialista", considerando que "não faz nenhum sentido entregar o país ao PS que levou o país à falência em 2011".
 

O presidente do PSD/M apontou que "isso é a mesma coisa que entregar a guarda de uma casa ao incendiário".


Albuquerque apresentou os seis candidatos do PSD/Mdeira à Assembleia da República assegurando que colocarão "os interesses da região sempre à frente dos do partido", elogiando ainda o trabalho desenvolvido pelos parlamentares sociais-democratas que cessam agora funções na Assembleia da República.