Deputado do PSD: media estão a substituir-se à oposição

Matos Correia criticou posição do Sindicato dos Jornalistas sobre alegadas pressões de Miguel Relvas

Por: tvi24    |   19 de Maio de 2012 às 17:40
O deputado do PSD Matos Correia diz que «os media não se deveriam colocar no papel da oposição ao Governo», referindo-se ao caso que envolve alegadas pressões do ministro Miguel Relvas sobre jornalistas do «Público».

«São muitas as situações em que, em vez dos partidos políticos, são os meios de comunicação social e os jornalistas a fazer o papel de críticos do governo», disse hoje à Lusa o deputado Matos Correia.

Para este deputado social democrata, «quando a oposição parece não saber fazer o trabalho de crítica ao governo, outros aparecem a fazê-lo».

«Não compreendo, por exemplo, como é que o Sindicato dos Jornalistas pode dizer que o ministro Miguel Relvas não tem condições para se manter no Governo», acrescenta José Matos Correia.

O deputado do PSD recusa aceitar a hipótese de Miguel Relvas ter feito pressões sobre jornalistas do «Público» e, por isso, considera que não há motivos para lhe retirar confiança política.

«Eu conheço bem o deputado Miguel Relvas e tenho a certeza de que ele não fez as ameaças de que é acusado. Não há, por isso, motivo para que o primeiro-ministro lhe retire confiança política», diz Matos Correia.

Matos Correia considera que há «uma forte luta interna dentro do jornal "Público", entre jornalistas e Direção de Informação», provocando uma polémica que acabou por colocar em causa a imagem do ministro Miguel Relvas.

O Conselho de Redação do «Público» denunciou na sexta-feira, em comunicado, que Miguel Relvas ameaçou queixar-se ao regulador do setor, promover um «blackout» de todos os ministros ao jornal e divulgar, na Internet, dados da vida privada de uma jornalista, se fosse publicada uma determinada notícia.

A notícia, da autoria de Maria José Oliveira e que acabou por não ser publicada, pretendia evidenciar «as incongruências» das declarações do ministro, na terça-feira, no Parlamento, sobre o caso das secretas.

Numa nota posterior, a direção do jornal justificou-se alegando que «não havia matéria publicável», tendo a decisão sido tomada antes de conhecer as ameaças.

Mais tarde, o Público noticiou que o ministro Miguel Relvas pediu, nesse dia, desculpa ao jornal, depois de a direção ter protestado contra «uma pressão» do governante sobre uma jornalista que acompanha o caso das secretas.

O PS já anunciou que vai pedir a presença do ministro no Parlamento para esclarecer o caso e o PCP considerou que, caso se confirmem as «alegadas pressões» do ministro à jornalista do Público, Miguel Relvas «não tem condições para continuar a ser membro do Governo». Já o Bloco de Esquerda exigiu a clarificação do caso, sublinhando que não pode existir «opacidade» em relação à liberdade de imprensa.

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) vai solicitar a intervenção da Entidade Reguladora para a Comunicação Social e da Comissão Parlamentar de Direitos, Liberdades e Garantias. Para o sindicato, a confirmarem-se as ameaças e pressões imputadas ao ministro, este «deixaria de ter condições para manter-se no Governo».
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Relvas
Relvas
COMENTÁRIOS

PUB
Demissão em bloco na urgência do Garcia de Orta

Sete chefes de equipa enviaram carta ao conselho de administração do hospital de Almada. Médicos alegam como motivos da demissão o «agravamento das condições de trabalho», bem como «o risco do ato clínico» e «a segurança dos doentes», que «atingiu um ponto crítico e inaceitável» no serviço de urgência. Duas das oito mortes registadas no início deste ano foram neste hospital