O Bloco de Esquerda (BE) organizou hoje uma ação onde voltou a rejeitar o tratado orçamental e se passeou com um objeto a simular um avião da «Bazem Airlines», com bilhetes só de ida para diversas personalidades.

O Presidente da República, Cavaco Silva, o chefe do Governo, Pedro Passos Coelho, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e também figuras do PS, como o secretário-geral António José Seguro e o cabeça de lista às europeias, Francisco Assis, foram alguns dos «contemplados» com um bilhete só de ida, numa ação que contou com a cabeça de lista bloquista às europeias, Marisa Matias, e a coordenadora do partido Catarina Martins.

«Há pelo menos duas questões em que há uma linha divisória clara» entre o BE e PSD, CDS-PP e PS, diz Marisa Matias: «a austeridade, no centro desta questão, e o tratado orçamental. Entendemos que não é compatível a adoção do tratado orçamental com uma política de esquerda, de maior justiça social», declarou à agência Lusa.

A candidata, em conjunto com Catarina Martins e o mandatário da campanha para as europeias, esteve presente numa ação com jovens, na Rua do Carmo, no centro da cidade, onde foi apresentado o material de campanha para as europeias destinado aos jovens, entre os quais um desdobrável com um avião de papel da «Bazem Airlines».

À Lusa, Marisa Matias lembrou que muitos jovens têm vindo a ser «forçados» a sair de Portugal, «de avião ou por outros meios», em virtude da política de austeridade que urge «pôr a andar» para fora do país.

«São mais de 120 mil em cada ano [que emigram]. Às vezes não só jovens, mas maioritariamente jovens que não têm aqui alternativa de emprego, num país em que a taxa de desemprego jovem supera os 40%», sublinhou a eurodeputada e novamente candidata ao Parlamento Europeu.

Um voto no BE nas eleições de 25 de maio representa, diz Marisa Matias, um voto «em quem quer romper com este ciclo de políticas» e não se prender na esquerda do PS, que votou favoravelmente o tratado orçamental europeu de limites da dívida e do défice.