O antigo Presidente Mário Soares desafiou esta quinta-feira os portugueses a protagonizarem uma mudança política como a que considerou estar a acontecer na Grécia e na Europa e reafirmou a sua confiança no novo líder socialista, António Costa.

«Está-se a ver que toda a Europa vai e está a mudar. A Grécia está a mudar e nós também temos de mudar, e rapidamente, em Portugal», declarou o também ex-líder de diversos executivos portugueses na apresentação, em Lisboa, de um livro em que é o protagonista, da autoria do jornalista Mário Mesquita.

O ex-secretário-geral do PS voltou a criticar a justiça portuguesa no caso que originou a prisão preventiva do seu «camarada» de partido e antigo primeiro-ministro José Sócrates, classificando-o como «uma infâmia».

«Temos a honra de ter aqui o nosso líder socialista e, portanto, presto-lhe as minhas homenagens e digo-lhe que agora é a ele que compete... eu estou com o líder até ao fim», afirmou Soares, dirigindo-se ao atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa, que optou por adiar declarações sobre a atualidade para sexta-feira.

Segundo o ex-Presidente da República, Portugal não pode «tolerar que este Governo (da maioria PSD/CDS-PP) continue como está», pois «só faz asneiras, políticas, económicas, de toda a espécie e está completamente paralisado».

Mário Soares confessou já estar retirado da «luta política» ativa, mas prometeu voltar a visitar Sócrates no Estabelecimento Prisional de Évora, se o mesmo lá continuar.

«Acho uma infâmia que haja uma situação em que está preso um homem que foi primeiro-ministro sem que tenha sido julgado. Por que há um juiz que diz que tem de estar preso sem nunca o ter sujeitado à justiça portuguesa. Não é aceitável e, por isso, ainda me vou bater», concluiu.