O secretário-geral do PS, António Costa, disse este domingo que conta com Mário Soares para desafios futuros porque a política não abandonará o ex-presidente da República, mesmo que ele, aos 90 anos, a queira abandonar.

Mário Soares celebra hoje 90 anos

Numa intervenção breve, em tom informal e por vezes com humor, no almoço comemorativo dos 90 anos de Mário Soares, António Costa começou por agradecer o contributo do ex-chefe do Estado para a luta pela liberdade e para a democracia, pela construção do PS e por perceber em vários momentos que «era preciso regressar aos valores de sempre».

Soares: um homem da liberdade e da democracia

«Sei que há dez anos prometeu que ia abandonar a política e ainda na semana passada me disse, creio que não é inconfidência, que agora é que era. Há dez anos fiquei preocupado, mas agora fiquei tranquilo. Porque pode querer abandonar a política, mas a política não ao abandona a si», afirmou António Costa.

O secretário-geral do PS disse que Mário Soares «ainda tem muito para dar à política» e referiu em seguida, em tom de brincadeira, as eleições presidenciais de 2016.

«Daqui a dois anos, temos eleições presidenciais e basta olhar para Jorge Sampaio para ver que ainda está muito jovem para se recandidatar», disse, provocando risos na sala do Espaço Tejo da antiga FIL, onde decorre o almoço de aniversário, reunindo perto de 300 pessoas.

«E para além desses desafios, que admito que já esteja muito fatigado para eles, há muitos outros. E por isso tenho a certeza que daqui a dez anos ainda cá estaremos para o ouvir», disse.

Personalidades de vários quadrantes políticos participam no almoço de Mário Soares, entre as quais o ex-deputado do PS e ex-candidato presidencial Manuel Alegre, Almeida Santos, o ex-secretário-geral da CGTP-IN, Carvalho da Silva, o ex-coordenador do BE João Semedo, o ex-presidente do CDS Adriano Moreira, Freitas do Amaral, Leonor Beleza, o cientista António Damásio e o ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso.

Antes do início do almoço, coube ao apresentador televisivo Júlio Isidro entregar dois presentes a Mário Soares: A capa do Diário de Notícias do dia em que nasceu, com uma montagem antecipando que o político iria «agitar a vida nacional deste século e do próximo» e a capa do Diário de Lisboa de 29 de abril de 1974, o dia em que regressou de Paris, onde se encontrava no exílio.