«Poder judicial está empenhado em derrubar o primeiro-ministro»

Bastonário da Ordem dos Advogados diz que «há decisões judiciais que são produzidas para o debate político»

Por: tvi24 / MM    |   5 de Março de 2010 às 17:46
O Bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, acusou, esta terça-feira, o poder judicial de estar «empenhado em derrubar o primeiro-ministro». Marinho Pinto adiantou que «este primeiro-ministro, bem ou mal, tocou em alguns privilégios da corporação», sendo «manifesto» que a mesma «está empenhada em derrubá-lo».

«O poder judicial está, neste momento, empenhado em derrubar o primeiro-ministro. Alguém tem dúvidas disso?», afirmou Marinho Pinto, no Porto, à margem de uma conferência realizada na Faculdade de Direito.

«O caso Freeport é óbvio. Há seis anos que está este processo e vai ser arquivado agora? E durante este tempo todo vejam o que fizeram ao primeiro-ministro», frisou.

«Promiscuidade aviltante »

Marinho Pinto salientou ainda que «há decisões judiciais que são produzidas para o debate político» e sustentou que «tudo está aqui numa promiscuidade aviltante para as instituições democráticas e para a própria cidadania».

Em resposta ao presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, que instou o bastonário dos advogados a concretizar as acusaçõesde que há contaminação política no MP, o bastonário sublinhou que «não» comenta «declarações de sindicalistas». «Os sindicatos querem, e bem, mais dinheiro e menos trabalho para os seus associados, o objectivo que me move e move a Ordem dos Advogados é melhor justiça, mais rápida e mais justa para os cidadãos, sociedade e empresas», salientou.

«Indícios» de influências, mas sem «provas»

Na quinta-feira, Marinho Pinto tinha admitido que havia contaminação política do Ministério Público, falando mesmo em «sinais evidentes de que o poder judicial está a funcionar segundo uma agenda política».

Em reacção a estas declarações, o secretário de Estado da Justiça admite que haja contaminação política do Ministério Público «em casos pontuais». João Correia refere que teve «indícios» de influências políticas na Justiça, mas nunca «provas».
PUB
EM BAIXO: Marinho Pinto
Marinho Pinto

COMENTÁRIOS

PUB
Zona Euro quis bloquear relatório do FMI sobre a Grécia

Uma fonte do FMI citada pela agência Reuters diz que países da Zona Euro não queriam que o documento fosse publicado apenas três dias antes do referendo sobre o acordo da Grécia com os credores. Ao dizer que a Grécia precisa de um novo pacote de ajuda de pelo menos 50 mil milhões de euros, bem como de um substancial alívio nas condições de pagamento, o FMI deu uma munição preciosa ao governo de Atenas para o referendo de domingo