O Ministério da Defesa confirmou esta quinta-feira à agência Lusa a exoneração do comandante da Polícia Marítima, vice-almirante Cunha Lopes, após pedido do Chefe do Estado da Armada.

Fonte oficial do Ministério da Defesa dissed à Lusa que a exoneração surgiu após proposta do almirante Macieira Fragoso, chefe do Estado-Maior da Armada, adiantando não haver ainda um nome para ocupar o lugar Cunha Lopes.

De acordo com a edição do «Correio da Manhã», a exoneração de Cunha Lopes surge após este ter confrontado Macieira Fragoso com o que considerou ser «mais uma ingerência do ramo militar» naquela estrutura civil (Polícia Marítima).

Ainda segundo o diário, em causa está um despacho de Macieira Fragoso exigindo que a comunicação institucional da Policia Marítima (PM) passasse pelo seu gabinete, o que Cunha Lopes terá considerado um «arredar de competências».

Na sequência desta posição, revela o diário que Macieira Fragoso terá perdido a confiança em Cunha Lopes e, enquanto líder da Autoridade Marítima Nacional, responsável pela (PM), pediu ao ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, a exoneração daquele comandante.