"Uma população envelhecida, muitas vezes abandonada, muitas vezes com várias doenças." As palavras que traçam um retrato do país são de Maria de Belém e descrevem o problema ao qual a candidata presidencial dedicou o seu primeiro dia de campanha. De manhã, com uma visita ao Lar de Idosos da Fundação José Relvas, em Alpiarça, e, à tarde, com a visita à Misericórdia de Setúbal. Pelo meio, houve tempo para os primeiros discursos da campanha: palavras que foram apelos aos portugueses e farpas aos adversários - especialmente dirigidas ao candidato que também faz parte da área socialista, Sampaio da Nóvoa.

Num domingo nublado e chuvoso um pouco por todo o país, Maria de Belém escolheu dar a conhecer exemplos de instituições que procuram dar resposta ao problema que é o número crescente de idosos dependentes, com necessidade de apoio e cuidados sociais.

Depois de durante a manhã ter estado no Lar de Idosos da Fundação José Relvas, a candidata às Presidenciais terminou o dia na Misericórdia de Setúbal.

Aqui, Maria de Belém voltou a distribuir sorrisos e cumprimentos, com os utentes visivelmente surpreendidos pelo reboliço causado pelas câmaras e pelos repórteres.

Adelaide Sousa, uma utente de 72 anos, destacou-se pela esponteneidade e boa disposição. Queixou-se à candidata que todos os políticos dizem coisas de que depois se esquecem quando chegam ao poder e, a este propósito, deixou um sério aviso: 

"Se fizer alguma coisa mal, eu escrevo-lhe".  Uma "ameaça" que mereceu sorrisos e a promessa de uma carta de resposta, por parte de Maria de Belém,  


Lares e misericórdias são locais que Maria de Belém conhece bem - a própria fez questão de sublinhar que dedicou grande parte da sua vida ao espaço da solidariedade social. Pode-se então dizer que é esta a sua aréa de conforto?

 "Não é uma área de conforto, esta área se é alguma coisa é uma área de desconforto porque a exigência de trabalho nestes locais é muito grande."

E quando questionada sobre a possibilidade de o seu eleitorado ser, precisamente, um tipo de público mais velho, Maria de Belém não tem dúvidas: o seu eleitorado é muito diverso e apresenta várias faixas etárias.

Antes, no cine-teatro de Almeirim, a ex-presidente socialista deixou uma questão aos portugueses - "Quem querem ver como Presidente da República?" - que serviu de mote para um rol de críticas aos adversários - com Sampaio da Nóvoa a destacar-se entre os visados.

O dia começou com a emoção do único ministro que a apoia, João Soares, mas, em Almeirim, Belém encontrou um auditório com cerca de metade dos lugares por preencher, naquele que foi o seu primeiro discurso da campanha. Uma situação que considera estar relacionada com o mau tempo verificado um pouco por todo o país.

"O tempo está mau. Julguei que fosse difícil que viesse muita gente a um domingo à tarde." 

Amanhã, a caravana da candidata desce até ao sul do país. Este domingo, segundo a candidata, o mau tempo não terá ajudado à mobilização. Maria de Belém esperará condições metereológicas mais favoráveis para o resto da campanha.