O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira que vai "esperar para ver", quer nos preços praticados quer no dinamismo das empresas, os efeitos da descida do IVA na restauração.

"Vamos ver. Acabou de entrar há poucas horas. Vamos esperar para ver", declarou o chefe de Estado, no Funchal, Madeira, naquele que é o segundo de três dias de visita oficial à região autónoma.

Marcelo diz que ainda não pagou uma conta - "fui sempre convidado", vincou - desde a entrada em vigor do novo IVA na restauração, pelo que resguardou para depois comentários sobre o efeito do mesmo nos preços e empresas.

O IVA na restauração volta aos 13% a partir desta sexta-feira no continente, com exceção do fornecimento de algumas bebidas, depois de ter sido 23% nos últimos anos e da grande contestação do setor.

O chefe de Estado foi questionado sobre a matéria durante um percurso pedonal no centro do Funchal, chegando cerca das 16:30 à cerimónia de imposição de Insígnias do Governo Regional da Madeira.

Antes, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo presidente do Governo regional, Miguel Albuquerque, contactou com dezenas de madeirenses, ouvindo preocupações e elogios.

Hoje, 1 de julho, é assinalado o dia da Região Autónoma da Madeira e das Comunidades Madeirenses.

Naquela que é a sua primeira visita à região como chefe de Estado - e assumindo já que voltará em breve -, Marcelo Rebelo de Sousa vai assistir, ao fim da tarde, a uma eucaristia na Sé Catedral do Funchal, e o dia acaba com um concerto de Rui Veloso, acompanhado pela Orquestra Clássica da Madeira, na Praça do Povo.