O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou a todos os portugueses para que contribuam para o êxito dos bombeiros na época de fogos, ajudando a prevenir e a garantir a segurança de todos.

O chefe de Estado falava para os bombeiros da corporação de Bragança, no início do segundo dia do “Portugal Próximo” no norte do país, considerando o papel dos bombeiros “insubstituível”, mas alertando para que “a comunidade tem de estar sensível permanentemente ao que deve fazer para o êxito da missão” do dispositivo.

Há aqui um problema de educação, há aqui um problema de cultura. A comunidade tem de perceber que deve garantir a vossa segurança, garantindo a sua segurança”, afirmou o chefe de Estado, lembrando a fase crítica de incêndios florestais que mobiliza desde o dia 01 de julho e nos próximos meses mais de dez mil elementos.

Marcelo Rebelo de Sousa enfatizou que todos os cidadãos têm de “proporcionar o melhor número de condições” para que a missão seja bem sucedida, “prevenindo, atuando em conformidade, respeitando permanentemente” o contributo dos bombeiros, nas horas boas como nas horas más”.

Sobretudo nas horas boas, porque é nas horas boas que se previne o que possa vir a acontecer nas horas más e, agora que estamos a entrar num período mais complexo, mais difícil, que vai ser o período das próximas semanas, os próximos meses, é preciso que todos aqueles que vos rodeiam entendam o que devem fazer e o que não devem fazer para o êxito da vossa missão”, reiterou.

O Presidente da República realçou o papel do “conjunto destas mulheres e destes homens que desinteressadamente, abnegadamente, constantemente, dia a adia, hora a hora, semana a semana, mês a mês, ano a ano serve a comunidade sem nada pedir de troca”.

Mas, continuou, “depois tanto ou mais do que isso, o papel essencial das cidadãs e dos cidadãos”. “De nada serve o vosso contributo se não for acompanhado da compreensão, do apoio, da solidariedade, da prevenção por parte das portuguesas e dos portugueses”.

Marcelo Rebelo de Sousa passa a manhã de hoje em Bragança e prossegue no distrito transmontano durante a tarde com passagem por Vila Flor, Alfândega da Fé e Freixo de Espada à Cinta.