O Presidente da República mostrou-se hoje mais tranquilo quanto ao surto de ‘legionella’, considerando que deste caso se aprende a importância da colaboração entre as autoridades e que se deve cumprir a lei com sensibilidade em relação às pessoas.

Em declarações à agência Lusa à entrada para a apresentação do novo livro de Diogo Freitas do Amaral, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre as declarações de hoje do ministro da Saúde, que disse que se espera que entre segunda e terça-feira os novos casos de 'legionella' comecem "a tender para zero", quando termina o tempo máximo para o período de incubação.

"Tranquilo porque há promessa de uma investigação interna da parte das estruturas de saúde, independentemente depois da investigação do Ministério Público", respondeu.

Na opinião do Presidente da República, "há aqui uma aprendizagem de que, por um lado, é bom haver colaboração entre autoridades e, segundo, que se pode e deve cumprir a lei com sensibilidade em relação às pessoas, sobretudo aquelas que estão num momento de maior fragilidade".

"Eu penso desde o início o mesmo, acompanhando o que tem dito o Governo, que é que haveria um período de incubação que está a terminar e portanto o número de casos naturalmente não vai ultrapassar aquilo que era previsível e que é apesar de tudo limitado, comparado com o número de potenciais pessoas em risco pelo contacto próximo eventual com o foco", defendeu.

O número de casos confirmados de doença dos legionários do surto no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, subiu para 41, anunciou hoje a Direção-geral da Saúde (DGS).

Numa nota divulgada no seu site, a DGS indica que se mantêm internados em cuidados intensivos cinco doentes infetados com 'legionella'. Relativamente ao boletim divulgado na quarta-feira houve mais três casos registados.

O surto de 'legionella' identificado na sexta-feira no Hospital São Francisco Xavier já provou dois mortos.

A maioria dos casos deste surto ocorreu em mulheres (63%) e mais de 70% dos doentes infetados têm 70 ou mais anos.