Foi um desabafo, mas captado pelos jornalistas, depois da reação mais politicamente correta às declarações do primeiro-ministro, António Costa, que apelou ao voto dos militantes socialistas em Sampaio da Nóvoa e em Maria de Belém nas presidenciais. 

Se, primeiro, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o facto de o líder do PS não apoiar apenas um daqueles dois candidatos e se isso poderia favorecer a sua candidatura "é um problema do doutor António Costa", depois, já sem estar rodeado por todos os jornalistas, foi irónico ao agradecer essa divisão de Costa:

 "Muito patriótico. Grande ajuda que ele dá"


Antes, perante todas as câmaras, a primeira reação do candidato que tem recomendação de voto por parte do PSD e do CDS-PP, foi notar que sendo o primeiro-ministro socialista, o mais óbvio é apoiar candidatos do seu partido. "Já esperava, toda a gente já esperava. Parece-me uma evidência, seria absurdo se não o fizesse".

Não se decidir por apenas um é que mereceu de Marcelo esta alfinetada, nesta que é a véspera do arranque oficial da campanha eleitoral.

Confiante que ganha à primeira volta, o professor respondeu assim a Costa, que disse que a eleição do próximo dia 24 de janeiro é uma espécie de primárias da esquerda.

"Espero que os portugueses resolvam tudo à 1ª volta, que as primárias sejam umas secundárias da esquerda"

Apesar de hoje ter ficado claro qual é o apoio do primeiro-ministro de Portugal nesta corrida a Belém, Marcelo, se for eleito, garante que terá com ele "exatamente o mesmo relacionamento que teria com qualquer Governo".
 

Leia também:


Jornal de Campanha em Santarém e Coimbra: Um episódio "engraçadíssimo" e Marcelo "banzado" em Coimbra