O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta segunda-feira que a saída do Reino Unido pode ser "uma oportunidade" para a União Europeia "refletir e repensar o seu rumo".

Em declarações aos jornalistas, num hotel de Casablanca, depois de ter estado reunido com o rei de Marrocos, Marcelo Rebelo de Sousa adiantou que Mohamed VI faz uma leitura semelhante das consequências do referendo britânico desta quinta-feira.

"Nós aí apreciámos a situação, o que ela era de desafio para a Europa. Mas estivemos, no fundo, a concordar no essencial quanto a que era uma oportunidade para a Europa, desde que a Europa soubesse naturalmente encarar essa oportunidade para refletir e repensar o seu rumo", afirmou o chefe de Estado.

De acordo com o Presidente da República, "neste momento, é importante para a Europa refletir sobre o referendo britânico", e esse foi um dos temas tratados no encontro que teve esta segunda-feira com Mohamed VI, no Palácio Real de Casablanca, durante cerca de uma hora.

"Foi possível analisar a situação na Europa depois do referendo britânico, no continente africano, no Próximo e Médio Oriente, no Mediterrâneo, em que há muitos interesses comuns", referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou esta segunda-feira à tarde a Casablanca para uma visita de cerca de oito horas ao Reino de Marrocos, preenchida com encontros institucionais com o rei Mohamed VI, com o primeiro-ministro, Abdelilah Benkirane, e com os presidentes das duas câmaras parlamentares marroquinas.

Esta curta visita a um dos países geograficamente mais próximos de Portugal é a nona deslocação do Presidente da República ao estrangeiro desde que iniciou funções, a 9 de março, e a segunda a um país africano, depois de Moçambique.

Rápida estabilização política em Espanha

Marcelo Rebelo de Sousa considerou também esta segunda-feira que é bom para Portugal que haja estabilização política em Espanha e disse esperar que isso aconteça rapidamente.

"Tudo o que seja uma estabilização política num país vizinho, amigo e com grandes ligações a Portugal é bom para Portugal. E espero que isso aconteça rapidamente", declarou.

O Presidente da República falava aos jornalistas num hotel de Casablanca, onde se encontra desde esta segunda-feira à tarde, numa curta visita ao Reino de Marrocos, preenchida com encontros institucionais.

Questionado sobre o resultado das legislativas em Espanha, o chefe de Estado português começou por responder que não gosta de "falar da situação interna de outro país", mas acabou por acrescentar que espera uma rápida estabilização política.

O Partido Popular, de Mariano Rajoy, foi o mais votado nas eleições de domingo Em Espanha, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

No discurso de vitória, Mariano Rajoy reclamou o "direito a governar".

O PSOE, de Pedro Sanchez, ficou em segundo lugar, com 85 lugares, enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos, que as sondagens colocavam em segundo lugar, ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, e o partido de centro-direita Ciudadanos conseguiu 32 assentos.