A eurodeputada do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, questionou esta quinta-feira a Comissão Europeia sobre que medidas que tomará sobre os acordos fiscais secretos entre empresas e o Luxemburgo e a legitimidade de Jean-Claude Juncker para continuar na presidência da Comissão.

Uma investigação jornalística internacional divulgou esta quinta-feira o chamado caso ‘Luxembourg Leaks', sobre acordos secretos que mais de 300 empresas fizeram com o Governo do Grão-Ducado para fugir aos impostos noutros países. Este é o primeiro teste ao novo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que foi primeiro-ministro do Luxemburgo entre 1995 e 2013.

Numa pergunta enviada ao órgão executivo comunitário, Marisa Matias questionou «que medidas concretas e/ou sanções pretende tomar a Comissão Europeia» e se entende que, «face a este escândalo, é possível manter na presidência de uma das principais instituições europeias Jean-Claude Juncker».

O luxemburguês ainda não reagiu pessoalmente a esta polémica e hoje mesmo cancelou a sua participação numa conferência sobre a Europa em Bruxelas, depois de o ex-presidente da Comissão Europeia Jacques Delors, também ter cancelado a sua ida por estar doente.

Em consequência, explicou esta quinta-feira o porta-voz da Comissão Europeia, Juncker não participou na conferência onde ia ter um debate com Delors «porque não pode debater com ele mesmo».