O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, defendeu que o «esforço maior» pedido ao setor público no Orçamento do Estado para 2014 segue critérios «de justiça e equidade», alegando que quem vai sofrer os novos cortes salariais na área do Estado tem maior segurança no trabalho e que o setor privado tem contribuído mais para «o ajustamento» dos últimos dois anos.

«Nós no PSD nada temos contra os funcionários públicos, mas é verdade que ao longo dos últimos anos mais de 400 mil portugueses perderam o emprego e quantos destes 400 mil portugueses eram funcionários públicos?», questionou, durante o debate quinzenal no Parlamento esta quinta-feira.

Montenegro acentuou que o setor privado é mais prejudicado «mesmo do ponto de vista salarial». «Fruto das circunstâncias e vicissitudes da nossa situação económica, houve uma diminuição dos salários no sector privado, em média de 10%», disse.



«É importante que nenhum de nós esteja a estigmatizar o sector público, mas todos temos que ter uma postura séria», insistiu.