O secretário-geral do PS afirmou esta terça-feira que a ex-presidente socialista, Maria de Belém, por escolha da antiga ministra, será a primeira suplente da lista de candidatos a deputados pelo círculo eleitoral de Lisboa nas próximas legislativas.

António Costa falava aos jornalistas após ter participado numa homenagem ao antigo ministro da Ciência José Mariano Gago no ISCTE (Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Educação), como reporta a Lusa.


"Maria de Belém terá nas listas para as eleições legislativas o lugar que me pediu que tivesse, que é ser a primeira suplente do PS pelo círculo eleitoral de Lisboa. Eu sou o primeiro efetivo e tenho muita honra que ela seja a primeira suplente", declarou o líder socialista.



Maria de Belém candidata à Presidência da República?


Confrontado com sondagens que apontam Maria de Belém como estando bem colocada na esquerda política para uma candidatura nas eleições presidenciais, o secretário-geral do PS respondeu deste modo:

"Sempre que um socialista está feliz, estamos todos mais felizes".

"Alguma vez a felicidade de algum socialista pode ser infelicidade para alguém? Estamos felicíssimos", comentou ainda.


Sobre uma eventual candidatura da ex-presidente do PS nas eleições presidenciais, o secretário-geral socialista repetiu que essa matéria "não está na agenda" do seu partido, que apresenta antes como "prioridade clara as eleições legislativas".

[Sobre presidenciais] "temos uma resolução do congresso que é clara. Apoiaremos a candidata ou candidato que da área política do PS, filiado no PS, ou da sua família política, estiver em melhores condições para renovar aquilo que é a grande vontade dos portugueses: Voltar a ter um mandato presidencial que nos orgulhe a todos, como tivermos com o general Ramalho Eanes, com Mário Soares e com Jorge Sampaio", sustentou.

António Costa referiu depois ter "a satisfação de possuir a convicção de que das próximas eleições presidenciais sairá um novo Presidente da República que fará renascer aquilo que na prática foram os mandatos dos três chefes de Estado apoiados pelo PS".

"Há sempre teorias sobre as eleições presidenciais, como aquela dos ovos no mesmo cesto, mas há só um dado certo: Sempre que foi eleito um Presidente da República apoiado pelo PS os portugueses gostaram sempre desse Presidente, porque deixaram sempre mandatos que nos deixaram orgulhosos. Tenho a certeza que esta é a uma regra que se manterá", declarou, antes de recusar sentir-se pressionado pela presença dos antigos chefes de Estado Ramalho Eanes, Jorge Sampaio e Mário Soares ao lado da candidatura do ex-reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa.

"O PS não está hesitante e tomará no momento próprio a sua posição. Com certeza que tenho estima por Maria de Belém - era o que faltava não ter, pois foi presidente do meu partido -, e tenho uma enorme estima, enorme consideração e amizade pelo professor Sampaio da Nóvoa, mas nada disso está na ordem do dia do nosso processo de decisão", respondeu o líder socialista.