O presidente do Partido Democrático Republicano, António Marinho e Pinto, assumiu este domingo que o PDR falhou por não ter conseguido alcançar o objetivo de eleger um grupo parlamentar.

“Falhámos porque pretendíamos eleger um grupo parlamentar e não conseguimos”, disse aos jornalistas Marinho e Pinto na sede do PDR, em Lisboa.


O presidente do PDR adiantou que o partido vai começar já a trabalhar nas eleições autárquicas, embora considere que vão realizar-se eleições legislativas antecipadas, tendo em conta que a votação de domingo “não proporciona condições de governabilidade para Portugal”.

“Portugal vai entrar numa fase de instabilidade e de turbulência política a nível do Estado e de alguns partidos, pelo menos há um partido político que é fundamental que esteja coeso e estável internamente”, afirmou, referindo-se ao PS.


Marinho e Pinto considerou “improvável” um acordo entre o BE, CDU e PS, sublinhando que o Partido Socialista está mais próximo do PSD.

O presidente do PDR disse ainda que os resultados das legislativas aproxima Portugal da Grécia, sublinhando que “a votação do Bloco de Esquerda é um espécie de efeito do Syriza retardado”.