logotipo tvi24

25 de abril: JS rejeita «leitura desadequada» da JSD sobre ausências

Pedro Delgado Alves defende que Portugal «está grato» aos autores da Revolução

Por: tvi24 / MM    |   2012-04-25 11:00

O secretário-geral da JS rejeitou, esta quarta-feira, a «leitura desadequada» da JSD sobre as ausências na sessão solene do 25 de Abril, defendendo que Portugal «está grato» aos autores da Revolução e que os seus valores devem ser continuamente renovados.

«Não achamos que seja uma leitura [a da JSD] adequada no dia de hoje, especialmente porque a motivação da política do dia a dia tem de ser ultrapassada por aquilo que são valores que têm de permanecer, ainda que possa haver algum nervosismo, dificuldades que o país atravessa e se queira uma posição em relação às pessoas que optaram por protestar no dia de hoje, legitimamente, democraticamente», afirmou Pedro Delgado Alves aos jornalistas, no Parlamento.

Na terça-feira, a JSD considerou que os supostos «donos» do 25 de Abril já se fizeram ouvir durante tempo demais e que a democracia em Portugal terá mais sucesso quanto menos depender dos agentes da revolução de 1974.

Na segunda-feira, a Associação 25 de Abril anunciou que não iria participar nos «atos oficiais nacionais evocativos» desta data por considerar que «o poder político que atualmente governa Portugal configura um outro ciclo político que está contra o 25 de Abril, os seus ideais e os seus valores».

Em solidariedade com a decisão da Associação 25 de Abril, que tem como membros alguns dos «militares de Abril», o antigo Presidente da República Mário Soares e o ex-candidato presidencial Manuel Alegre anunciaram que também não iriam participar nas comemorações oficiais do 38.º aniversário da «Revolução dos Cravos» na Assembleia da República.

Partilhar
EM BAIXO: 25 de Abril
25 de Abril

Prova dos professores: Governo agiu como um «caçador furtivo»
António Costa dá exemplo dos docentes para mostrar que «o laço de confiança entre o Governo e os cidadãos está quebrado»
«Crato conseguiu vitória com truque bastante ordinário»
Comentário de Augusto Santos Silva na TVI24
Seguro promete que não vai rever legislação laboral
«Não aceitamos que o avanço das economias de mercado se faça à custa do retrocesso dos direitos sociais dos trabalhadores e das trabalhadoras», explicou
EM MANCHETE
Professores têm de justificar falta à prova
Só assim evitarão ser «prejudicados» no próximo concurso, esclareceu o ministro Nuno Crato
«Crato conseguiu vitória com truque bastante ordinário»
RioForte avança com pedido de falência no Luxemburgo