O dirigente socialista José Lello acusou, esta segunda-feira, a TVI de «perseguição pura e dura» ao PS e ao primeiro-ministro José Sócrates, diz a Lusa.

«A TVI é a estação que mais abusa da liberdade de informação, isso não me surpreende porque o seu director já era useiro e vezeiro a manipular a informação quando tinha um cargo idêntico na RTP», criticou.

As críticas do dirigente socialista surgem na sequência da troca de acusações durante o fim-de-semana entre o ex-secretário de Estado do PS Arons de Carvalho e o director-geral da TVI José Eduardo Moniz, a propósito do Congresso dos socialistas, que decorreu em Espinho.

José Lello recusou quaisquer interferências do PS na liberdade de informação dos meios de comunicação social: «Há total liberdade de informação. Os demais órgãos de comunicação social, as demais televisões limitam-se à objectividade enquanto a TVI insiste na perseguição pura e dura ao PS e ao primeiro-ministro.»

Telejornal de sexta «faria sucesso numa República das Bananas»

José Lello estranhou também que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) ainda não se tenha pronunciado sobre o Jornal Nacional que a TVI transmite às sextas-feiras, apresentado por Manuela Moura Guedes.

«Só me admiro da passividade da ERC. Como é possível haver um telejornal como o de sexta-feira que é um reality-show da Dra. Manuela Moura Guedes, que mitiga as saudades de quando era política no activo?», questionou, referindo-se ao período em que a jornalista esteve no Parlamento, como deputada do CDS-PP.

O dirigente socialista considerou ainda que esse espaço informativo da TVI «faria sucesso numa República das Bananas», mas cuja «falta de objectividade e de respeito pelos valores mínimos de isenção é um escândalo».