Em Espanha, o jornal El País destacou que a Esquerda se uniu para derrubar o Governo de Pedro Passos Coelho, após 11 dias de empossamento. O jornal escreve que “o XX Governo Constitucional passará à história como O Breve”.
 

“A nova maioria de Esquerda votou, conjuntamente a moção de censura do Governo, provocando a queda automática”, destacou o El País.

 
O mesmo jornal deu conta das duas manifestações, uma a favor e outra contra a queda do Governo, que aconteceram à porta da Assembleia da República e faz um retrato de “um cúmulo de situações inéditas”, comparando o Novembro de 2015 ao de há 40 anos.
 
 
O jornal El Mundo dá igualmente conta que a Esquerda portuguesa “se uniu esta terça-feira para por fim ao Governo de coligação conservadora liderado por Pedro Passos Coelho”.


 

“Por problemas técnicos, a votação da moção de censura não pôde ser feita de forma eletrónica e teve de realizar-se fila a fila, para que fossem contabilizados corretamente os votos a favor e os votos contra”, descreve o El Mundo.

 
O jornal traça cenários futuros na política portuguesa, respondendo à questão “quem governará Portugal?”.
  

“Caiu o Governo mais efémero da História de Portugal”, começa por descrever o portal de notícias ABC.es. “O segundo mandato consecutivo de Pedro Passos Coelho, durou apenas 11 dias, depois de aprovada a moção de rejeição apresentada pelo socialista António Costa”, acrescentou.

O jornal catalão La Vanguardia sublinha que “já era esperado” o cenário que saiu da Assembleia da República esta terça-feira e fala de uma “aliança histórica da Esquerda lusa”.

“Socialistas, marxistas e comunistas votaram contra o novo governo, que apenas durou alguns dias”, escreve o La Vanguardia. 


Em França, escreve o Le Monde que “em Portugal, a Esquerda provocou a queda do Governo e quer ‘virar a página da austeridade’”.
 

“Numa aliança histórica concluída no domingo, o Partido Socialista entendeu-se com os diferentes partidos da Esquerda radical para derrubar o Governo de Direita”.

 
O assunto faz manchete na edição online do jornal Le Figaro. “Menos de um mês depois de ganhar as eleições”, Pedro Passos Coelho vai ceder o lugar”, diz o Le Figaro, explicando que a moção de rejeição do Programa do Governo recebeu os votos a favor de “123 dos 220 deputados”.