“A nova maioria de Esquerda votou, conjuntamente a moção de censura do Governo, provocando a queda automática”, destacou o El País.








“Por problemas técnicos, a votação da moção de censura não pôde ser feita de forma eletrónica e teve de realizar-se fila a fila, para que fossem contabilizados corretamente os votos a favor e os votos contra”, descreve o El Mundo.



“Caiu o Governo mais efémero da História de Portugal”, começa por descrever o portal de notícias ABC.es. “O segundo mandato consecutivo de Pedro Passos Coelho, durou apenas 11 dias, depois de aprovada a moção de rejeição apresentada pelo socialista António Costa”, acrescentou.



“Socialistas, marxistas e comunistas votaram contra o novo governo, que apenas durou alguns dias”, escreve o La Vanguardia. 




“Numa aliança histórica concluída no domingo, o Partido Socialista entendeu-se com os diferentes partidos da Esquerda radical para derrubar o Governo de Direita”.