O líder parlamentar do PCP, João Oliveira, afirmou que o seu partido entende que "o Governo deve dar todos os esclarecimentos" sobre a intervenção de Diogo Lacerda Machado em negócios que envolvem o Estado português.

Entendemos que o Governo deve dar todos os esclarecimentos relativamente a essa contratação, sem perder de vista o que é central", designadamente a proteção do "interesse público" acima de tudo, "nas intervenções do Governo nos negócios do Estado", disse João Oliveira no encerramento das jornadas parlamentares do partido em Trás-os-Montes, esta terça-feira.

O primeiro-ministro socialista, António Costa, assumiu que Diogo Lacerda Machado o representou informalmente em várias negociações sensíveis que estão em curso, como na TAP, no caso dos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo e também no BPI, nas reuniões entre Isabel dos Santos e o banco catalão Caixabank.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou que Diogo Lacerda Machado deu um contributo importante nas negociações para devolver ao Estado 50% da TAP, considerando 'fait-divers' [facto sem relevância] a polémica sobre o papel do antigo governante nas negociações.