O eurodeputado da CDU e recandidato elogiou esta sexta-feira o esforço de contestação dos trabalhadores, especialmente os funcionários públicos, às medidas de austeridade e pediu que seja levada «a luta até ao voto», no domingo.

«É hora, agora, neste domingo, de levar a luta até ao voto», exortou João Ferreira, num almoço com funcionários camarários de Palmela, antes das duas grandes iniciativas finais da campanha europeia, uma arruada na Baixa de Lisboa e um comício no Seixal.

«Muitos apelam, por estes tempos, à resignação e à desistência, muitos vêm dizer 'lutam, lutam, mas o que conseguem?' Está aqui um exemplo do que pode ser conseguido. Caros camaradas e amigos, nós sabemos o que conseguimos com a luta. Se bem que não conseguimos tudo, também aquilo que não sabemos é o que seria a situação se não tivesse havido luta», continuou.

O cabeça de lista da coligação que junta comunistas e ecologistas afirmou ser «justo reconhecer que a luta dos trabalhadores para derrotar as medidas mais negativas do memorando da troika» e «derrotar a imposição das 40 horas semanais [de trabalho] vai muito para além das autarquias da CDU».

«Ainda há poucas semanas vimos a apresentação por parte do Governo de um documento, chamado de Estratégia Orçamental (DEO) que carrega mais ameaças para os funcionários públicos, para os trabalhadores da administração local, inclusivamente com despedimentos nestes setores», como cita a Lusa.