O secretário-geral do PCP descreveu o 25 de abril de 1974 como um «ato de libertação» e o processo «mais moderno e avançado» da história contemporânea de Portugal, mas deixou críticas, na sua intervenção no parlamento, ao atual Governo.

«Uma política e um Governo que estão a dar cabo do presente da juventude estão condenados à derrota e a não ter futuro», declarou Jerónimo de Sousa, na sua intervenção no parlamento na sessão solene dos 40 anos da revolução de Abril.

Na sessão solene, PCP e «Os Verdes» traçaram uma retrospetiva sobre a revolução de 1974, elogiando por exemplo os capitães de Abril, mas deixaram fortes críticas ao rumo político atual do país.