O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje o primeiro-ministro e o vice-primeiro-ministro de serem «trapaceiros e malabaristas», por terem dito «sem corar de vergonha» que não haveria mais medidas de austeridade.

«Trapaceiros e malabaristas é o que são», afirmou o líder comunista, recordando que o primeiro-ministro, Passos Coelho, e o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, disseram que não haveria novas medidas de austeridade.

Num comício em Odivelas, Jerónimo de Sousa afirmou que Passos e Portas «jogam com as palavras mas apenas para jogar com a vida das pessoas».

«Como é possível afirmar isto sem corar de vergonha, quando se preparam para incluir no Orçamento do Estado para 2014 um vasto conjunto de medidas em que se incluem, como vem a público, um corte de 10% nos salários dos trabalhadores da administração central e local, o mesmo valor de 10% no corte das reformas, um corte nas pensões de viúvas e viúvos, de que está ainda por apurar em termos de dimensão?», questionou.

O líder comunista apontou também para «o novo aumento da idade da de reforma para os 66 anos, manutenção da sobretaxa do IRS e da taxa extraordinária para os pensionistas e o que aí está ainda para vir de aumentos de impostos, de taxas, de despedimentos de dezenas de milhares de trabalhadores da administração pública».