O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou hoje que o atual Governo é da responsabilidade do PS, rejeitando que possa ser considerado como um governo de coligação ou de esquerdas.
 

“Há muitos camaradas e amigos que dizem: ‘bom, agora já lá estamos no Governo’. Não, isto não é um governo de coligação, não é um governo de esquerda ou de esquerdas, é um governo do PS”


Para Jerónimo de Sousa, este é um governo que, após ter obtido entendimentos à esquerda, “está em condições” de permitir que entre em funções e que desenvolva uma política com “solução duradoura” na perspetiva da legislatura.

Jerónimo de Sousa, que falava em Campo Maior, no distrito de Portalegre, durante um almoço convívio com simpatizantes e militantes do PCP, afirmou que o partido tem os “parâmetros definidos” no acordo que desenvolveu com o PS, recordando, no entanto, que não peçam ao PCP que “deixe de ser o que é”.

O secretário-geral do PCP considera que após o acordo do PS com os partidos de esquerda, o país está a trilhar, ao fim de quarenta anos de democracia, um “caminho novo” e que conta com o apoio do PCP que está “empenhando em construir e honrar a palavra dada”.
 

“Nós nunca andamos atrás de lugares no Governo, nas instituições. Nunca isso esteve em cima da mesa para nós, pois queríamos uma solução política e institucional e isso não significa que quando o povo português quiser lá estaremos para assumir todas as responsabilidades, incluindo governativas, mas sempre por decisão do povo e não por decisão de outros”


Durante o seu discurso em Campo Maior, o secretário-geral do PCP afirmou ainda que o PSD e o CDS-PP têm “ódio” em relação aos comunistas, porque o seu “principal compromisso” é com os trabalhadores e o povo português, sendo esta questão também “claramente” definida quando o partido assinou o acordo com o PS.

“Essa raiva, esse ódio que têm em relação ao nosso partido estilhaça de uma vez por todas aquelas teorias: ‘O PCP pouco conta, o PCP está à beira da morte, o PCP corre o risco de ficar residual’. Tantas sentenças que eles nos fizeram, tantas certidões de óbito nos passaram e afinal este partido é tão importante que concentra o ódio e a raiva da direita portuguesa”, disse.

Relativamente às presidenciais, Jerónimo de Sousa acusou o candidato Marcelo Rebelo de Sousa de ter feito durante anos “ propaganda gratuita” nas televisões e por afirmar que não necessita de cartazes durante a campanha.