Sondagem: Jardim vence com maioria absoluta

PS fica a quase 40 por cento de diferença

Por: Redação / CP    |   4 de Outubro de 2011 às 20:01
Alberto João Jardim deverá manter a maioria absoluta nas eleições regionais na Madeira do próximo domingo, embora o PSD desça quase 11 por cento em relação a 2007, segundo a sondagem da TVI, realizada pela Intercampus.

Apesar da polémica à volta do buraco financeiro da Madeira que tem marcado a campanha, o actual presidente do Governo Regional consegue 53,5 por cento dos votos.

Muito afastado, com quase 40 por cento de diferença, está o PS. Os socialistas arrecadam 16,9 por cento das preferências.

O CDS-PP surge em terceiro lugar, com 11,8 por cento das intenções de voto.

A projecção da TVI mostra que 3,9 por cento dos madeirenses votam na CDU.

O Partido da Nova Democracia fica à frente do Bloco de Esquerda por três décimas, com 2,8 por cento, enquanto os bloquistas alcançam 2,5 por cento dos votos.

Os restantes três partidos obtêm 8,8 por cento das intenções de voto, e entre estes inclui-se o PTP, que apresenta como candidato José Manuel Coelho.

Comparando estes resultados com os das últimas eleições, em 2007, Jardim ganhou com 64,2 por cento dos votos, ou seja, este ano desce quase 11 por cento.

FICHA TÉCNICA:

Esta projeção foi baseada numa sondagem da Intercampus, efectuada entre 30 de Setembro e 3 de Outubro, com o objectivo de conhecer a opinião da população portuguesa sobre temas da actualidade.

O universo é constituído pela população portuguesa recenseada, residente na região autónoma da Madeira.

A recolha foi através de entrevista telefónica, num total de 609 entrevistas em que 53.7% dos entrevistados é do sexo feminino, 46.3% do sexo masculino, com a distribuição etária e por concelhos presente no quadro.

O erro de amostragem, para um intervalo de confiança de 95%, é de mais ou menos 3.97%. A taxa de resposta foi de 41.2%. Nesta sondagem, 36.5% não revelaram a sua opção e 5.3% indicaram que não votariam.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Sondagem
Sondagem
COMENTÁRIOS

PUB
BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém»

«Fala-se do buraco, do buraco, do buraco no meu mandato... Apresentem-me números». Ano e meio depois de sair, ex-presidente do BESA diz que a carteira de crédito cresceu ainda mais, com outros a liderar o banco. Quanto à garantia do Estado angolano, afirma que caiu por culpa do Banco de Portugal. Já sobre os créditos em si, assume a responsabilidade por tê-los pedido, mas quem autorizou foi o BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém». Há alguma contradição nas suas explicações sobre onde é que, afinal, pára o dinheiro dos polémicos créditos que desapareceram