O CDS vai requerer a ida do ministro da Administração Interna ao Parlamento para explicar o valor que o Governo vai pagar pelos meios aéreos e “é o dobro da proposta inicial”, afirmou o deputado Telmo Correia.

O deputado reagiu desta forma à notícia este sábado divulgada pelo Expresso, segundo a qual “os 28 helicópteros ligeiros que o governo contratou na semana passada por ajuste direto para combater os fogos de 2018 revelam-se um negócio custoso para o erário público”.

Os quatro contratos agora celebrados com quatro empresas ascendem a pouco mais de 11,5 milhões de euros, valor acima do montante que o Estado contava gastar na alocação daquelas aeronaves. No segundo concurso, o valor era de 15,7 milhões de euros (para 2018 e 2019). Dividindo por dois, obtém-se um valor de 7,85 milhões de euros por ano, o que torna os ajustes diretos 47% mais caros”, lê-se na notícia.

Para o deputado Telmo Correia, “o governo está a adquirir os meios por quase o dobro da previsão inicial do governo e vai ter de explicar isso no Parlamento”.

Por esta razão, o CDS entregará na segunda-feira um requerimento a solicitar a ida do ministro da Administração Interna à comissão parlamentar para que este possa explicar “a forma negligente como o governo está a gerir esta matéria”.