A maioria PSD/CDS-PP aprovou esta terça-feira no parlamento, em votação na generalidade, a reintrodução de cortes salariais que, de acordo com o Governo, atingirão «apenas» metade do total dos funcionários públicos.

A proposta de lei teve os votos favoráveis de PSD e CDS-PP e os votos contra de toda a oposição, seguindo agora para sede de comissão.

O texto está em discussão pública e o Governo já estimou que o mesmo deverá ver a sua votação final global decorrer a 25 deste mês.

Antes da votação desta terça-feira, num período de debate, o secretário de Estado da Administração Pública, José Maria Leite Martins, garantiu que as reduções que o Governo pretende reintroduzir nos salários atingirão «apenas» metade do total dos funcionários públicos.

«As remunerações mensais superiores a 1.500 euros abrangem apenas cerca de metade do conjunto de trabalhadores», disse Leite Martins no parlamento, no debate prévio à aprovação da proposta de lei na generalidade.

Em discussão está a proposta de lei do Governo que pretende reintroduzir temporariamente os cortes entre 3,5% e 10% aplicados aos salários do setor público superiores a 1.500 euros introduzidos em 2011, pelo então Governo de José Sócrates, e que vigoraram até 2013.

O diploma estabelece a reversão dos cortes num prazo máximo de quatro anos a partir de 2015, ano em que haverá uma reposição de 20% dos cortes.

Os deputados da oposição questionaram, durante o debate, esta reversão dos cortes salariais.