O Governo condenou esta segunda-feira, «da forma mais veemente, o chocante e cobarde homicídio» de 21 cristãos coptas egípcios na Líbia, reivindicado pelo grupo radical Estado Islâmico, anunciou fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

«O Governo português condena, da forma mais veemente, o chocante e cobarde homicídio de 21 cidadãos egípcios na Líbia, perpetrado e reivindicado por assassinos afiliados ao grupo terrorista ISIS/Daesh [Estado Islâmico do Iraque e da Síria, nas siglas em inglês e em árabe]», lê-se numa nota hoje divulgada pelo Palácio das Necessidades.

Portugal, através do ministério de Rui Machete, «apresenta condolências às famílias das vítimas e solidariza-se com o povo egípcio e com as autoridades do país».

O Governo reitera ainda a sua «firme condenação do terrorismo, sob todas as suas formas» e reafirma o «compromisso de participação ativa no esforço internacional de luta antiterrorista», acrescenta o comunicado.

Os jihadistas do Estado Islâmico divulgaram no domingo um vídeo que mostra a decapitação de 21 coptas (cristãos egípcios) que foram sequestrados na cidade de Sirte, no norte da Líbia.

O Presidente do Egito, Abdul Fatah Khalil Al-Sisi, avisou que o país «se reserva o direito a responder no modo e tempo que considere adequados» à execução dos cidadãos egípcios.