O fundador do PSD Francisco Pinto Balsemão alertou na quinta-feira, nos Açores, o partido para não cometer os erros que estão a ser cometidos pelo PS em termos de eleições presidenciais, alegando que seria «muito mau» seguir o caminho socialista.

«As consequências no PS estão à vista, por isso, parece-me que seria muito mau que o PSD seguisse o mesmo caminho. É melhor não cometer os erros que estão a ser cometidos no PS», disse, sem precisar a que erros se referia, Francisco Pinto Balsemão aos jornalistas, à entrada para a cerimónia de encerramento dos 40 anos do PSD/Açores, em Ponta Delgada.

Oficialmente, Paulo Morais, antigo vice presidente na Câmara Municipal do Porto na governação de Rui Rio é o segundo na corrida a Belém, depois do socialista Henrique Neto, que já apresentou a sua candidatura.

O antigo primeiro-ministro e militante número um do PSD escusou-se a revelar qual seria o seu candidato preferido para as presidenciais, alegando que «tudo tem o seu tempo», apesar de reconhecer que o tema está já na ordem do dia e «as coisas estão a acelerar».

Na sua intervenção na sede do PSD/Açores em Ponta Delgada, Francisco Pinto Balsemão vincou que «os partidos políticos são essenciais para a democracia» e que quem pensa ao contrário «está enganado».

«Não se inventou ainda outra fórmula de encontrar uma representatividade democrática de maneira que o poder político funcione através de eleições livres», referiu o social-democrata, acrescentando que a democracia «pode e deve adaptar-se às novas tecnologias», propondo, por exemplo, o voto eletrónico.

Pinto Balsemão alertou que as redes sociais não substituem os partidos políticos, que os níveis de abstenção são gravíssimos e que estão a surgir movimentos de «características variadíssimas», mas que não têm um programa.

«Os partidos existem para apresentarem programas eleitorais, programas de governo, para apresentarem e defenderem programas em eleições. Compete aos partidos tomarem as iniciativas que robusteçam uma democracia enfraquecida», afirmou Francisco Pinto Balsemão, acrescentando que «os partidos não podem olhar só para o seu umbigo».

Vincou que a revisão constitucional já deveria ter ocorrido, assim como a lei eleitoral já deveria ter sido atualizada e que não o fazer «é brincar com o fogo».

Pinto Balsemão explicou que, em seu entender, é necessário mostrar aos abstencionistas que os partidos têm de existir a bem da democracia

Além do líder do PSD/Açores, Duarte Freitas assistiu hoje à cerimónia de encerramento dos 40 anos do PSD/Açores, o presidente honorário e deputados na Assembleia da República Mota Amaral.