O primeiro-ministro Passos Coelho manifestou, em mensagem enviada ao presidente francês, François Hollande, as "mais sentidas condolências" e "solidariedade face aos trágicos acontecimentos", oferecendo disponibilidade do Estado português.
 

"Tendo tomado conhecimento dos atentados, esta noite, ocorridos em Paris, quero expressar, em meu nome pessoal, do meu Governo e do Povo português, a Vossa Excelência, às famílias enlutadas e a todo o Povo francês, as mais sentidas condolências e a mais sincera solidariedade face aos trágicos acontecimentos que assolaram a França.

Portugal repudia firme e veementemente toda a forma de terrorismo, que tem como único propósito colocar em causa a segurança e a estabilidade das nossas sociedades e dos nossos Povos.

Poderá Vossa Excelência e o Povo francês contar com a solidariedade e com a colaboração do Estado português para fazer face a este flagelo que ameaça os nossos valores, as nossas convicções e as nossas sociedades, perfeitamente imbuídas dos valores da tolerância e da Paz, que estão na génese do nosso projeto europeu comum.

Queira, Senhor Presidente, neste momento de dor e de luto para a Nação francesa, aceitar os meus protestos da minha mais alta consideração e estima pessoal".