A deputada bloquista Mariana Mortágua declarou esta sexta-feira que as agências de notação financeira têm como clientes os especuladores, acusando o Governo de querer continuar as políticas de austeridade que só servem os mercados.

«É preciso perceber que aquilo que a Fitch vem dizer, passados três anos de troika e de governação para os mercados financeiros, é que a dívida portuguesa continua a ser lixo, não saiu do lixo», disse, nos Passos Perdidos do Parlamento.

A referida agência de rating anunciou ter atualizado a perspetiva de Portugal de «negativa» para «positiva», embora mantendo o rating de crédito do país em «BB+». A medida justificou-se pelos esforços orçamentais acordados por Lisboa e na recuperação geral da economia lusa.

«Não há nenhuma razão para o Governo embandeirar em arco e vir tentar encontrar milagres a partir destes dados que, como outros, não refletem a realidade do país», continuou a parlamentar do BE.

Apesar de classificar o risco de pagamento da dívida de Portugal como «BB+», ou seja, no primeiro nível em que deixa de aconselhar investimento, a Fitch admitiu rever a nota para um nível positivo «em breve».

«São agências que têm como clientes os grandes interesses financeiros e o que está a dizer, ao falar de uma perspetiva positiva de longo prazo é que há uma perspetiva que os especuladores recebam o seu dinheiro e isto está associado ao compromisso do Governo português, que vai continuar a governar para os credores, independentemente das consequências da política de austeridade», afirmou Mortágua, sublinhando que, para aquelas instituições, «é independente se o desemprego está maior ou menor, a pobreza está maior ou menor, se as desigualdades são maiores ou menores», como cita a Lusa.