O BE criticou hoje o PS por ter apresentado o compromisso para o Governo durante a campanha para o Parlamento Europeu, considerando que se os socialistas não abdicarem do tratado orçamental estão apenas a fazer «promessas».

Marisa Matias, na primeira ação de mais um dia de campanha, em Peniche, foi questionada sobre a apresentação feita pelo PS, no sábado, do seu programa político, considerando que perante «tudo aquilo que está nos 80 compromissos ou bem que se abdica do tratado orçamental ou então são só promessas para se ver em campanha eleitoral».

«Além que esta campanha eleitoral, que eu me lembre, é para o Parlamento Europeu, não é para o Governo. O PS optou por apresentar o seu compromisso para o Governo durante a campanha eleitoral para as europeias, o que mostra também que quer fugir às questões essenciais que estão a ser discutidas aqui», criticou, destacando a restruturação da dívida e o tratado orçamental.

A eurodeputada recandidata do BE questionou ainda se o PS «vai ou não continuar a fazer no Parlamento Europeu o que tem feito até aqui, que é associar-se, na esmagadora maioria das vezes, ao grupo parlamentar da direita para aprovar todas as políticas económicas» que colocaram o país na atual situação.

O PS, se for Governo, comprometeu-se a acabar com a contribuição de sustentabilidade aplicada aos pensionistas e alocar receitas do combate à fraude fiscal para reduzir progressivamente a sobretaxa em IRS até a eliminar.

O secretário-geral socialista prometeu no sábado que, se os socialistas formarem Governo, não vai aumentar os impostos, vincando que isso será a primeira vez que acontecerá neste século com um executivo em Portugal.