A eurodeputada Marisa Matias acusou esta sexta-feira a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, de ter mentido no parlamento quando disse que não há dívida nova, acusando a governante de estar a garantir os seus interesses futuros.

«Não é por acaso que continuamos a ouvir a ministra das Finanças a mentir, como mentiu no parlamento, quando disse que não havia dívida nova. Há dívida nova, não é apenas dívida que não estava revelada», disse Marisa Matias em Coimbra, numa ação do Bloco de Esquerda contra as políticas de austeridade.

«Não é por acaso que Maria Luís Albuquerque continua a insultar-nos todos os dias, a lembrar os piores momentos da história deste país. Sim, tínhamos os cofres cheios e as pessoas viviam na miséria, não é por acaso que isto continua a acontecer, é porque não se pode por em causa um sistema que se tem que reproduzir, em nome da salvaguarda dos interesses de alguns», acusou.

Para Marisa Matias, Maria Luís Albuquerque «está apenas interessada em servir os interesses do capital» porque, alegou, «as pessoas que estão no Governo têm de pensar também no seu futuro».

«Se forem olhar para o interesse coletivo, podem por em causa o seu futuro. E se nós formos olhar onde é que estão os representantes dos governos que nos últimos anos aplicaram as piores políticas, as piores medidas, não é muito difícil encontrá-los: estão exatamente nas sedes desses capitais financeiros que agora tanto defendem», acusou a eurodeputada.

«Estão lá, estão bem instalados, ganham bem e vão continuar a garantir que eles vão sobreviver, mesmo destruindo economias inteiras, porque precisam de garantir o seu próprio futuro. Afinal de contas, não é o interesse coletivo, mas o seu interesse próprio», reafirmou Marisa Matias.

Na intervenção perante cerca de 100 militantes e simpatizantes do Bloco de Esquerda, num jantar também de comemoração dos 16 anos da fundação da distrital de Coimbra, Marisa Matias disse que os bloquistas, na campanha que têm em curso contra a austeridade, têm a «obrigação» de não cair no que disse serem «ilusões».

«Não deixar que ninguém caia nessas ilusões, nas mentiras sistematicamente contadas com cara de anjo da ministra das Finanças. Temos obrigação de dizer verdadeiramente onde estão os problemas e apresentar as soluções», afirmou.