Para trás ficaram as divergências. A crise obriga a cerra fileiras e ganhar objectividade. Em vésperas de congresso do Partido Socialista, Ana Gomes assume o respeito pelo líder e acredita em tempos mais positivos para o país.

À questão «sente-se hoje mais próxima de Sócrates do que há quatro anos», a eurodeputada é directa: «Não sou incondicional de ninguém. E não sou certamente decorativa para quem quer que seja. Hoje sinto muito maior admiração por ele, pelo trabalho à frente do Governo».

Nem sequer houve desilusão. «Sinto grande admiração pela determinação e pela capacidade de mobilização e de fazer equipas. O meu balanço é globalmente positivo», frisou.