O presidente do Movimento Esperança Portugal, Rui Marques, anunciou que o MEP vai concorrer às autárquicas em Lisboa e considerou que a possibilidade de Santana Lopes regressar à câmara «é uma ameaça muito séria» à cidade.

Rui Marques disse que até ao final do mês será apresentada a lista do MEP à câmara de Lisboa, visando uma «renovação» e captar os votos «do descontentamento», quer à direita quer à esquerda, informa a agência Lusa.

Num encontro com jornalistas na sede do MEP, em Lisboa, Rui Marques adiantou que o Movimento Esperança Portugal irá concorrer apenas a «mais um ou dois municípios». Questionado sobre se o MEP estará disponível para acordos pós-eleitorais e com que forças políticas, Rui Marques escusou-se a esclarecer, frisando que a discussão está ainda «em torno das ideias para Lisboa».

«Mais à frente é que saberemos como nos entendemos nas geografias de poder», afirmou, frisando que a candidatura será «autónoma e para ir a votos». Sobre as candidaturas já anunciadas, Rui Marques considerou que a possibilidade de o social-democrata Pedro Santana Lopes regressar à câmara da capital «é uma ameaça muito séria à cidade».

Rui Marques considerou que o ex-presidente da câmara e actual cabeça-de-lista pelo PSD a Lisboa teve um mandato «absolutamente catastrófico», «particularmente nas contas públicas da cidade» e na «turbulência política» na autarquia.

Já sobre o socialista António Costa, Rui Marques afirmou que os dois anos de mandato foram «sofríveis porque sem chama» e considerou que «ficou aquém das expectativas que sobre ele recaíam».