O antigo Presidente da República, Mário Soares, disse hoje que «não é possível» um entendimento entre os maiores partidos em Portugal envolvendo o PS, e sublinha que «não é a insultar pessoas que se conseguem consensos».

«Já disse o suficiente para perceberem que não concordo com isso», disse o antigo chefe de Estado, quando questionado pelos jornalistas sobre as declarações de hoje do Presidente Cavaco Silva, que insistiu nas vantagens de um compromisso político entre os partidos do arco da governação para o pós-troika.

«Não é a insultar pessoas que se conseguem consensos», advertiu, sem concretizar, Mário Soares, que falava à margem da cerimónia do prémio de personalidade do ano de 2013 da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal, que reconheceu a importância das intervenções públicas de Soares, «que não se tem calado ante a dificuldade dos portugueses».

No discurso de aceitação do prémio, o antigo chefe de Estado lembrou a sua relação com os jornalistas, de quem «sempre gostou muito», e lembrou os 40 anos do 25 de Abril, que se vão assinalar em breve.

«O 25 de Abril devemo-lo exclusivamente aos militares de Abril. E é bom dizê-lo agora quando estamos a chegar ao mês de abril e quando se sabe que a ideia que existe do atual Governo de vir a fazer qualquer coisa pelo 25 de Abril é tão ridícula que não é verdadeiramente nada», advogou.

Mário Soares disse ainda que a efeméride que se aproxima deve servir «para provar que o 25 de Abril não morreu, que os militares de abril não morreram e que foram quem salvou o país da primeira ditadura».

«Agora é preciso que acabemos com a ditadura que se está a fazer sem se perceber que é uma ditadura ainda. Mas vai perceber-se», acrescentou o antigo governante.

A distinção a Mário Soares foi introduzida pelo presidente da Câmara de Lisboa, António Costa (PS), que destacou a «grande figura da liberdade de expressão» que foi e é o socialista.

«Seria certamente difícil encontrar uma figura que em 2013 mais merecesse a entrega deste prémio», frisou António Costa.

O prémio de personalidade do ano de 2013 foi hoje entregue, mas o mesmo havia sido já revelado no final do ano passado.

«Em 2013, Mário Soares foi uma das principais vozes na sociedade portuguesa», disse então a Associação de Imprensa Estrangeira, justificando assim a atribuição do prémio Personalidade do Ano/Martha de la Cal 2013 ao antigo Chefe de Estado e de Governo.

Os correspondentes estrangeiros «quiseram, com este prémio, constatar o importante papel desempenhado por Mário Soares na democracia e na história de Portugal».

A associação que representa os jornalistas estrangeiros salientou ainda que Soares «sempre manteve uma relação de amizade com os correspondentes, durante a sua etapa como primeiro-ministro e, posteriormente, como Presidente da República, bem como nos anos posteriores», sendo sócio honorário da associação.

Na cerimónia de hoje estiveram presentes diversas figuras do espetro político português, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o presidente honorário do PS Almeida Santos, o antigo líder do partido Ferro Rodrigues e deputados socialistas como João Galamba, Sérgio Sousa Pinto, Paulo Campos ou Marcos Perestrello.

Também presentes estiveram figuras da comunicação social, como o presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Carlos Magno, e embaixadores e diferentes representantes de outros Estados.