O líder parlamentar do BE apostou esta quarta-feira que vai haver um registo de mais emigrantes do que pessoas que encontraram emprego, no final das contas de 2013, após serem conhecidos dados europeus sobre a matéria.

«Veremos os dados finais no global do ano, mas poderia apostar que teremos em 2013 mais pessoas que emigraram do que aquelas que encontraram emprego, na criação líquida, do início ao final do ano», afirmou Pedro Filipe Soares, nos Passos Perdidos do Parlamento.

O gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (Eurostat) anunciou hoje que, apesar de uma das maiores reduções homólogas, de 17% para 15,5% entre novembro de 2012 e de 2013, Portugal continua a ter a quinta taxa de desemprego mais elevada da União Europeia, apenas atrás da Grécia (27,4%), da Espanha (26,7%), da Croácia (18,6%) e de Chipre (17,3%).

«Esta realidade demonstra que a economia não respondeu à vida das pessoas, apenas empobreceu o país porque retirou-lhe pessoas capazes de dar o seu contributo e enviou-as para fora do pais porque não lhes deu solução», afirmou o deputado bloquista.

O Eurostat reviu ainda em ligeira baixa o valor da taxa de desemprego em Portugal para outubro de 2013 (de 15,7% para 15,6%). Em relação à taxa de desemprego jovem, Portugal registou em novembro o quinto valor mais elevado (36,8%) entre os países europeus com dados disponíveis, apenas atrás da Espanha, da Grécia, da Croácia e da Itália.

«Creio que essa parte dos sinais positivos já teve várias versões, desde os ténues ao milagre económico. Infelizmente, no dia a dia, as pessoas não sentem que haja uma mudança de fundo na economia», acrescentou Pedro Filipe Soares, relativamente ao regozijo demonstrando pela maioria governamental.