O líder parlamentar do PSD fez esta terça-feira uma leitura com significado nacional dos resultados registados na Madeira, saudando a renovação da maioria absoluta social-democrata e considerando que a candidatura socialista madeirense teve a «bênção» de António Costa.

Foi uma «clara derrota, que constitui um sinal de desesperança». «A proposta do PS teve a bênção e a cumplicidade política do ponto de vista estratégico e do ponto de vista das suas principais orientações programáticas da liderança nacional do PS e do seu secretário-geral, António Costa. Creio que isso é inequívoco»


Luís Montenegro falava à entrada para uma reunião da bancada social-democrata, com tempo para se congratular com o escrutínio eleitoral a que a Madeira esteve sujeita no passado domingo.

«O Grupo Parlamentar do PSD saúda de forma muito vincada os madeirenses que foram às urnas e a candidatura do PSD protagonizada por Miguel Albuquerque, que obteve um resultado extraordinário, mantendo a maioria absoluta e oferecendo condições de governabilidade e estabilidade para desenvolver o seu projeto. Trata-se objetivamente de um excelente resultado eleitoral por parte do PSD e houve também a circunstância de o nosso parceiro de coligação [no Governo da República e na Assembleia da República, o CDS] ter tido o melhor resultado entre os partidos da oposição regional»


Entretanto, soube-se que, com a recontagem dos votos, o PSD-Madeira perdeu a maioria absoluta

Para o presidente da bancada do PSD, apesar de terem tido um caráter regional, as eleições na Madeira «também exteriorizaram um sinal relativamente às propostas políticas que dão confiança e esperança e que protagonizam a mudança em termos de futuro».

«Na Região Autónoma da Madeira, como em todo o território nacional, a esperança, a capacidade de mudança e de transformação continuam do lado do PSD», sustentou.