O representante da República para a Madeira, Ireneu Barreto, alertou este domingo que é necessário ter cuidado na avaliação dos números da abstenção na região porque existem cerca de 40 mil votantes fantasma nos cadernos eleitorais.

«Quanto à abstenção na Madeira, é preciso cuidado no tratamento dos números, pois, como sabem, há cerca de 40 mil votantes fantasma», disse o juiz conselheiro depois de exercer o seu direito de voto na secção da Câmara Municipal do Funchal.

O responsável salientou que «os cadernos eleitorais não estão devidamente atualizados», apelando que esta situação seja resolvida para que seja possível ter «números fiáveis sobre a abstenção».

«Votar é decidir sobre destinos da região, que no fundo são os nossos [residentes na Madeira] destinos», disse Ireneu Barreto apelando ainda aos eleitores que exerçam o seu direito de voto.

O representante da República justificou o apelo ao voto num momento em que é decidido «um novo ciclo para região».

Ireneu Barreto argumentou ainda que «quem não vota, demite-se de se interessar pelos problemas da região e, depois, demite-se de poder exigir de quem governa a região medidas que são úteis para a Madeira».

Este domingo, cerca de 256 mil eleitores estão inscritos para escolher em eleições legislativas regionais antecipadas os 47 deputados que compõem a Assembleia Legislativa da Madeira, um sufrágio do qual sairá também o próximo Governo Regional.

Nestas eleições concorrem 11 forças políticas, sendo oito partidos (PSD, CDS, BE, JPP, PNR, MAS, PND e PCTP/MRPP) e três coligações - Mudança (PS/PTP/MPT/PAN), CDU (PCP/PEV) e Plataforma de Cidadãos (PPM/PDA).

As eleições foram convocadas na sequência do pedido de exoneração do social-democrata Alberto João Jardim, que sai do poder após quase 40 anos de maiorias absolutas.