O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, apontou esta terça-feira o controlo da qualidade do ensino superior como uma área de interesse na cooperação nos países lusófonos, declarando a abertura de Portugal para colaborar nessa vertente.

Nuno Crato destacou a vontade na cooperação universitária ao nível da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em declarações a jornalistas à margem da II Reunião Extraordinária dos Ministros da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior da organização, que se realizou na capital moçambicana.

O ministro da Educação e Ciência afirmou que os titulares da pasta da CPLP expressaram, durante a primeira parte dos trabalhos da reunião, o desejo de ver dinamizada a cooperação ao nível da qualidade do ensino superior.

«Um aspecto que será importante é a troca de experiências no que se refere ao controlo mútuo da qualidade do ensino superior», frisou Nuno Crato.

Segundo o governante, na reunião de Maputo foi também enfatizada a necessidade de um maior aproveitamento do Centro da UNESCO para Formação Avançada em Ciências Básicas, estabelecido em Lisboa, através da incorporação na instituição de ações em curso nos países da CPLP.

No encontro desta terça-feira, os ministros da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior da organização vão aprovar o Plano Estratégico de Cooperação Multilateral, visando tornar o setor num «veículo de desenvolvimento» da organização.

A CPLP é constituída por oito países, designadamente: Portugal, Brasil, Moçambique, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Timor Leste.