O antigo Presidente do Peru Alberto Fujimori regressou na sexta-feira à prisão numa esquadra de polícia de Lima depois de exames médicos terem descartado a suspeita de uma lesão cancerígena no estômago, avança a agência Lusa.

O congressista Alejandro Aguinaga, médico pessoal de Fujimori, disse à EFE que o antigo Presidente foi submetido a uma colonoscopia que afastou a suspeita de lesões com elementos cancerígenos.

Fujimori tinha sido internado na quinta-feira no Instituto Nacional de Doenças Neoplásicas, após ter apresentado nos últimos dias «um intenso problema abdominal» explicou Aguinaga.

Aguinaga, que é um dos representantes da bancada fujimorista no Congresso, observou que o antigo governante comparecerá na segunda-feira a mais uma sessão do seu julgamento por alegadas violações de direitos humanos.

«Ele não quer interromper as audiências», assegurou Aguinaga. «Na terça-feira disseram-lhe que fosse assistido por um médico, mas ele adiou, porque havia audiência na quarta».

Fujimori está a ser julgado no tribunal supremo por alegada responsabilidade nas chacinas de Barrios Altos e La Cantuta, cometidas pelo grupo militar secreto Colina em 1991 e 1992 e que fizeram um total de 25 mortes.

Também é acusado do sequestro do jornalista Gustavo Gorriti e do empresário Samuel Dyer, após o autogolpe de Estado de 1992.

A acusação pública considera Fujimori autor moral destes delitos e pede uma pena de prisão de 30 anos.