O deputado do PS Eduardo Cabrita e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, discutiram, esta quarta-feira, no Parlamento.

O governante tinha afirmado que, entre o Governo e o PS, «em circunstância alguma se fez depender a redução do IRC da redução do IVA e do IRS».

No entanto, o presidente da comissão parlamentar acusou Núncio de «faltar à verdade» e, quando o secretário de Estado se preparava para contestar, tentando ligar o microfone, o deputado socialista impediu-o, fisicamente.

«O senhor secretário de Estado faltou à verdade e não dirige os trabalhos desta comissão. Ouvi-o durante 28 minutos, agora não usa da palavra, vai ouvir porque está em causa uma questão de verdade», disse Cabrita.

«Vou ler, em ritmo pausado, para melhor acompanhamento por parte do senhor secretário de Estado e dos senhores deputados. O que vamos ter agora é um acordo em que uma eventual redução do IRC depende da avaliação da situação económica e financeira do país», continuou.

Paulo Núncio, mesmo sem microfone, repetia «seja verdadeiro, senhor deputado», enquanto o socialista continuava a não dar a palavra ao governante.

«Respeite o parlamento, não lhe está a ser dada a palavra», insistiu Eduardo Cabrita.

O secretário de Estado ainda tentou responder: «Entendo que o que passou foi suficientemente grave, a gravidade da sua intervenção é suficientemente manifesta…», dizia, quando lhe foi tirada a palavra novamente.

«A direção dos trabalhos do parlamento cabe à AR e não ao membro do Governo que aqui está», rematou Cabrita, que mandou os deputados para um intervalo, «por questões óbvias».