O ex-primeiro-ministro José Sócrates «está com uma resistência olímpica» ao «exagero» da medida de coação de prisão preventiva, disse esta sexta-feira um dos seus advogados, Pedro Delille, após reunir com o antigo líder socialista na prisão de Évora.

«Está com uma resistência olímpica a este exagero todo [prisão preventiva]. É uma medida exagerada, não é necessária», afirmou o advogado, que acompanha João Araújo na defesa de José Sócrates.


Pedro Delille falava aos jornalistas à saída do Estabelecimento Prisional de Évora, onde se reuniu «em trabalho» com José Sócrates, em prisão preventiva há cerca de um mês.

Questionado pelos jornalistas se está a ser preparado algum requerimento, o advogado limitou-se a dizer, sem especificar, que a defesa de José Sócrates está a preparar «algumas coisas».

José Sócrates está preso preventivamente no Estabelecimento Prisional de Évora por suspeita de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada, num caso relacionado com alegada ocultação ilícita de património e transações financeiras no valor de vários milhões de euros.

Recorde-se que foi a 21 de novembro que o antigo líder do PS e ex-primeiro-ministro foi detido e, após interrogatório judicial, ficou em prisão preventiva, por o juiz considerar existir perigo de fuga e de perturbação da recolha e da conservação da prova.

 Livro que António Arnaut ofereceu a Sócrates foi devolvido