O ex-primeiro-ministro José Sócrates regressou hoje, às 08:35, ao Campus da Justiça, em Lisboa, para ser interrogado pelo juiz de Instrução Criminal, Carlos Alexandre, constatou a Lusa no local.

Fonte judicial disse esta manhã à agência Lusa que os interrogatórios aos restantes detidos no âmbito do inquérito que envolve José Sócrates vão ser retomados este domingo.

Pelas 08:55, chegou ao Tribunal Central de Instrução Criminal João Araújo, advogado de José Sócrates, o qual apenas disse que mantém a intenção de fazer hoje uma declaração «assim que tiver oportunidade».

O ex-primeiro-ministro José Sócrates deverá ser interrogado no âmbito de um inquérito que investiga suspeitas dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

Em comunicado divulgado no sábado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a detenção de José Sócrates, bem como do empresário Carlos Santos Silva, do advogado Gonçalo Trindade Ferreira e do motorista João Perna.

A PGR referiu também que o inquérito «teve origem numa comunicação bancária» feita ao DCIAP e é uma «investigação independente de outros inquéritos em curso, como o Monte Branco ou o Furacão, não tendo origem em nenhum destes processos».

Esta é a primeira vez na história da democracia portuguesa que um antigo primeiro-ministro é detido para interrogatório.

José Sócrates, 57 anos, chefiou o Governo entre 2005 e 2011.